sábado, 18 de abril de 2009

Com Unidade

Diferentemente iguais. Sorrisos endiabrados, como dizem os autores cotidianos: moleques. A levada que se finca em uma encruzilhada mais complexa que a demarcação de uma fronteira política delineada por rios. A levada que eles têm são finamente apuradas. Os desafios contantemente provocadores, o ar contestado de paradoxos vindos de dentro e, principalmente, de fora os fazem crer que é um lugar pra se viver de verdade. Onde o ser humano encontra seu lixo e a sua beleza. Assim, bem explícito. 'Somos uma terra de ninguém liderada por poucos e por muitos, por nós mesmos'. É um corpo humano, é a complexibilidade de um emaranhado de teias que, mesmo não sendo lineares e fugazes que nem de uma aranha, chegam à um lugar próximo, senão distante do mesmo fim. O sangue que sai diante de algumas balas perdidas na imensidão do sítio transforma o lugar como um inferno de picadas de abelhas, onde um repelente é muito mais do que necessário para se manter vivo. Bizarro? Não vejo este sentimento desde os tempos em que sentava em frente ao grande e a figura mais influenciadora da cultura americana na televisão: MacGaiver. Ele se destacava pelas astúcia de sair dos lugares com um pensamento simples, como um chiclete e uma caneta. Na favela, comunidade, ou qualquer coisa que a chamam, há milhares de MacGaivers, um pouco menos maquiados, porém, igualmente corajosos de driblar as inconstâncias paradoxais e viver intensamente, na dor, coragem e libido extremamente postos em seu meio social-local.

Eles têm um amigo, um falso-amigo, que finge estender a mão para ele e, no final, o interesse é tão óbvio que parece ter algum senso de credibilidade. Faço um trabalho social em uma favela (foto), não distante de minhas indagações, acredito que ajudar a mudar de algumas pessoas não salvam uma comunidade, que dirá o mundo. O mundo gira em torno de perdedores e ganhadores. A mente humana não permite tamanha bondade. A bondade extrema é para poucos. Hipocrisia é uma palavra divina e que se encaixa perfeitamente neste âmbito. Somos capazes de destruir as nossas vidas, porque não faríamos com as de outrém? O Estado junto com a "sociedade" contribui para isso. A recente reviravolta que aconteceu na Tailândia diz o contrário. Qual o motivo? O amigo explicitou o seu mau-caratismo. Porque não acontece aqui? Porque amanhã eu vou poder comer meu caviar no jantar e continuar a ver estes pobres sorrisos no Jornal Nacional.

*fotos: Gabriel Zambrone

Próximo Tema: Amor

2 comentários:

Sara disse...

já que ninguém fez um post ainda sobre o próximo tema, já deixo aqui meu comentário adiantado antes que eu esqueça. Acabei de achar um texto que define o que é amor pra mim. Assim, desse jeitinho mesmo. Pra compartilhar:


AMOR - "Você já parou para ver como é o seu coração? Como ele anda ultimamente? Não, não estou falando só daqueles chatíssimos exames de esteira ergométrica ou os litros de sangue que você já deu em troca de míseros números de colesterol. Estou falando do outro...do coração, o centro dos sentimentos.

Os sentimentos são diferentes, muito diferentes. Eles não têm pressa, eles não chegam correndo. Você não olha e ama. Você vai amando no dia a dia, com as coisas que a pessoa faz, que a pessoa diz. Uma mãe não se apaixona por um filho, ela o ama. Vai amando a cada dia em que ele se forma na sua barriga, depois que ele nasce, quando ela percebe que o ama. E isso é o amor de verdade, não a paixão.

O amor é calmo, é translúcido. Você não tem pressa, não acha que vai perder porque o seu amor é seu. Você sente. Está lá dentro do seu peito e de pensar em qualquer pessoa que você ame dá um alívio gostoso. Pense naquelas vezes em que teve um problema cabeludo, mas quando pensou em alguém que ama, só de pensar, já se sentiu melhor. É mais ou menos por aí.

Amamos com a alma. Amamos porque sentimos. Quem não sente não pode ter a maravilhosa capacidade de amar. Pode sim, apaixonar-se, mas não se permite amar. Não porque não queira, mas porque nem sabe a diferença.

E esta é a grande pergunta sempre. O que é a amor e o que é paixão e como eu sei a diferença? Como eu sei que amo e que não é só uma paixão. A gente confunde tanto..diz que ama a paixão e despreza o amor. Como pode isso?

Amar é isso. É entrega de um pedacinho da sua alma em troca do mais absoluto nada. Você não quer nada, não exige nada..só quer pode ficar ali, junto, sem pensar, só sentindo que aquele é, com certeza, o único lugar no planeta onde você queria estar. Que estar naquele lugar, com aquela pessoa, é a coisa que mais faria o seu dia feliz.

E amor pode ser por qualquer pessoa. Pode ser por uma coisa, por uma idéia, por uma profissão. Mais uma vez repito quem sente é você. O amor não morre com o outro ou com a distância. Você não enterra seu amor junto com os entes queridos que já se foram. È o que chamamos de saudade. "Saudade é o amor que fica" como li um dia destes num texto que recebi pela internet. Fica e dura para sempre. Uma mãe que perdeu um filho sempre vai amá-lo. Uma mulher que perdeu o marido também. Isso não quer dizer que não vivam, que não possam se apaixonar, mas o amor, ele é sim eterno.

Isso é o amor eterno. Isso é o verdadeiro e real amor eterno. Aquele que cultivamos dentro de nós e que não precisa de prova nenhuma de que existe.

E é sentir isso e perceber isso que cura as nossas feridas. Que cura a nossa saudade. Que coloca pequenos bandaids no nosso coração. Que nos mostra que mesmo não presente, a presença do amor é sempre eterna. Não a posse da pessoa ou da coisa em si. Não o apego que ela fique conosco porque precisamos dela, como se precisássemos de qualquer coisa que esteja fora de nós, mas por amar. E só. (...)"

(Andrea Pavlovitsch)

ALVORADA JOVEM disse...

Gabriel Zambrone,

Quem és tu amigo? Que cai como luva falando mal da gente de modo inteligente! ahuahuahau Pena ser confundidos com merdas e falácias evangélicas!

O que estamos trazendo a Niterói não é blá blá blá! É integração é erudição em noitada é produção artística é provocação, é crítica, é arte! É arte que nos falta porque perdemos é verdade esfregada na cara de quem tapa os olhos e aceita o sistema, é mudança! E de um modo bem divertido e instigante ao mesmo tempo, complicado e simples, atiçador e engraçado!

Estamos construindo um portal cultural além de festas e expor trabalhos de artistas da cidade! A idéia é movimentar culturalmente com arte nas ruas e na noitada!

Alguém com um pensamento provocador e interessante que nem o teu e de teu grupo não pode ficar fora desta iniciativa! Como faço pra me comunicar contigo?

Quando sentaremos num bar e beberemos umas cervejas ou um Gin Tônica, ou boas doses de RUM e discutiremos o projeto?? E quem sabe uma integração do Linguas Presas e uma divulgação do trabalho interessante deste blog? Tem de ser antes desta sexta pq o site estará no ar semana que vem!

Caso se interesse me adcione no msn aí: marcus_o_pardo@hotmail.com

Marcus Patrick
Diretor de Relacionamento do Alvorada Jovem

Caso queira ter uma prévia nosso Orkut é Alvorada Jovem, A Festa ou o e-mail no orkut é alvoradajovem@hotmail.com